quinta-feira, 15 de julho de 2010

O amor...

Olá meninas, hoje vim aqui falar do sentimento que é essencial. Não é muito difícil de adivinhar né? Estou falando do AMOR!!!

Mas antes de falar sobre o amor, gostaria de compartilhar o que me levou a falar sobre esse assunto.

Hoje me peguei pensando na diferença entre a paixão e o amor. Pensando nisso comecei a refletir na diferença entre o amor que sinto pelos meus pais e irmãos e a paixão, entre o amor que tenho pelos meus amigos e familiares e a paixão, entre o amor que tenho pelos irmãos da igreja e a paixão e por último entre o amor que tenho por Deus e a paixão, mas o que realmente me surpreendeu foi o fato de não conhecer a diferença de um amor entre um homem e uma mulher e a paixão. Isso me assustou, será que sou a única pessoa do mundo que não conhece esse tipo de amor? Não pode ser possível.

Comecei então a trazer a memória os sentimentos que tive quando mais nova. Sentimentos de quando ficava com os rapazes, mas descobri que não passava de um simples “estar afim”, (louvado seja Deus que hoje não fico mais, Deus abriu meus olhos para essa realidade e me fez perceber que ficar só estava me afastando dEle). Sentimentos que tive por um rapaz com quem tive um relacionamento de um ano, e descobri que não passava de “um simples gostar”. Estava com esse rapaz, pois ele me fazia sentir melhor e não por amá-lo, eu gostava dele, mas era só isso.

Então fui ainda mais longe ao passado e me lembrei de quando eu gostei de um garoto por longos e demorados 6 anos da minha vida, daí imaginei “ Eu gostei dele durante 6 anos da minha vida, já chorei por ele, já escrevi cartas pra ele, mudei por causa dele (jamais façam isso, nunca mudem sua personalidade só pra agradar um garoto que você gosta), deixei de fazer coisas por ele, ficava esperando ele passar só pra poder vê-lo, sonhava com ele dormindo ou acordada e sempre escrevia poemas, poesias e músicas pra ele, então eu o amava!” Foi aí que Deus entrou na conversa que eu estava tendo comigo mesma e me disse:

- Filha você não o amava, você era apaixonada por ele e isso é bem diferente.
Então fiquei chocada, como eu poderia ter gastado 6 preciosos anos da minha vida e ter ficado só na paixão?
Pois é, foi o que realmente aconteceu, essa paixão só serviu pra formar meu caráter, mas não passou de paixão.

E agora? Como saber a diferença entre o amor e a paixão se e nunca amei ninguém?

E é aí que vamos para a bíblia. Todas conhecem a famosa carta de Paulo à igreja de Coríntios, onde o apóstolo fala sobre o amor.

Pra quem não conhece a história, a cidade de Corinto era completamente corrompida, o tipo de amor que era oferecido era o amor carnal, tanto que o templo de Afrodite (chamada de deusa do amor) situava-se nessa cidade onde as prostitutas ficavam na porta do templo oferecendo o tipo de amor conhecido por aquela cidade. A igreja de Corinto estava no meio disso tudo. Imagina a responsabilidade e a dificuldade que Paulo teve ao falar do verdadeiro amor. Mas ele disse em sua primeira carta aos coríntios, onde na bíblia temos no capítulo 13.
Então meninas peguem suas bíblias agora e abram lá... 1 Coríntios 13.

Bom princesas, na primeira parte do texto que vai desde o primeiro versículo até o versículo 3, o apóstolo deixa bem claro que todas as coisas que a igreja considerava importante como falar línguas de homens ou de anjos, os dons de profecia e conhecimento das ciências, fé capaz de transportar montes e distribuir todos os bens aos pobres, de nada valia se não tivesse o amor envolvido. A primeira lição que tiro dessa parte é de que o amor deve estar presente em tudo o que fazemos.

Na segunda parte do texto, o apóstolo Paulo fala sobre os atributos do amor.

O amor é sofredor, benigno, não é invejoso, não julga pelas aparências, não é orgulhoso, não se porta com indecência, não busca seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal, não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade, tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta.

                                       Lindoooooooo...

E foi assim que comecei a entender o amor, é claro que esses atributos se aplicam a todos os tipos de amores que sentimos, mas como estou falando do amor entre um homem e uma mulher, logo vou aplicar a esse assunto.


Quando amamos, não devemos ser egoístas, mas devemos aprender a pagar o preço por esse sentimento, o qual na maioria das vezes é a ESPERA.

Devemos sempre ser bons já que o amor é benigno, jamais devemos desejar que a pessoa que amamos quebre a cara em uma determinada situação, só porque não queremos que ela faça algo, por exemplo: Desejarmos que o amado perca o emprego só porque nesse emprego tem uma moça bela que gosta dele, ou desejarmos que o amado não conquiste algo maior em sua vida só pra não chamar atenção de outras moças, por ele ter se tornado um partido melhor.

Jamais devemos sentir inveja (além de ser um sentimento horrível). A definição de inveja é a seguinte: Desgosto diante da felicidade do outro. O amor não é assim, quando amamos a felicidade do outro se torna a nossa felicidade também.

Não julga pelas aparências. Existem muitas pessoas que dizem que amam só porque o outro é bonito, tem também os que tratam mal as pessoas que pelo seu julgamento são feias, isso não é atributo do verdadeiro amor. O verdadeiro amor olha além das aparências, ele dá valor aos atributos das pessoas e não ao exterior dela. Se quiserem um conselho meninas, não namorem um rapaz só porque ele é bonito, já dizia o velho ditado, por fora bela viola e por dentro pão bolorento. Se ser bonito é o único motivo de gostarem de alguém então não é motivo suficiente, lembre-se que a beleza é passageira e como diz no livro de Eclesiastes, não passa de vaidade! Aprendam a dar valor ao interior da pessoa, pois é isso que ira durar por toda a vida e também é o interior que torna a pessoa realmente bela!

O amor não é orgulhoso, no dicionário existem duas definições para a palavra orgulho, a primeira é alguém que se alegra com algum feito, exemplo: Tenho orgulho de ter tirado 10 na prova. A segunda definição é de arrogância, onde a pessoa se acha auto suficiente e que não existe ninguém que seja melhor do que ela. E é da segunda definição que o apóstolo Paulo fala, a pessoa que ama jamais deve ser orgulhosa, jamais deve se achar melhor do que o outra, ser arrogante, presunçosa isso é desagradável aos olhos de Deus.

Sempre se porta com decência, para nós princesas isso é obrigação, deve ser estilo de vida se portar com decência sempre.

O amor não busca seus próprios interesses, o interesse do próximo torna-se a sua prioridade diante das situações, jamais faz algo que possa magoar alguém ou entristecer só por interesse próprio.

Não se irrita, sempre possui paciência e longanimidade diante das situações.

O verdadeiro amor aprende a confiar e não suspeita mal. Isso vale para as mulheres que sempre acham que os maridos ou namorados estão traindo, isso não é amor e sim obsessão, às vezes o cara nem traindo está, mas na cabeça da mulher ele é um infiel e isso é suspeitar mal, devemos aprender a confiar no nosso cônjuge, pois um relacionamento sem confiança torna-se um fardo muito pesado.

Não se alegra com a injustiça ou com o pecado alheiro, mas sempre se alegra com a verdade e a justiça. Isso sim é um atributo louvável!
Tudo sofre, tudo crê, tudo ESPERA e tudo suporta. Esses últimos atributos acabam com toda espécie de egoísmo... O amor nunca é egoísta...
E é assim que deve ser o sentimento de amor quando amarmos alguém. Esse sentimento puro e santo que o apóstolo descreve.

Estou ansiosa pra sentir isso, mas sei que no momento certo Deus viverei, não é saudável despertarmos esse sentimento antes do tempo, talvez não estejamos preparadas pra viver a intensidade do verdadeiro amor. No livro de Cantares de Salomão, aparece três vezes que não devemos acordar nem despertar o amor até que queira, ou seja, até que esteja pronta pra viver o amor.

E o mais importante é que o amor não é mostrado apenas por sentimentos e sim por atos, do que me valem os sentimentos se não souber transmiti-los através de atos?

Então devemos aprender a viver os atributos do amor, pra que um dia sejamos capazes de amar alguém dessa maneira.

O apóstolo encerra o capítulo dizendo que permanece a fé, a esperança e o amor, mas o maior dos três é o amor, por isso tomem cuidado para não banalizar esse sentimento tão importante e sempre peça a Deus pra que Ele guie seus passos e as conduzam para a verdadeira e perfeita vontade dEle.

É isso princesas, eu espero que tenham aprendido mais sobre o verdadeiro amor, e não deixem de refletir nessa passagem de Coríntios é sempre bom relermos, pois Deus sempre tem algo novo a nos ensinar!

Abraços princesas e até mais...

Shalom Adonai

Carta de Deus aos Solteiros